Reflexão e Meditação: Curiosidade de Criança




Um dos factos mais básicos sobre o tempo é que, embora insistamos em medi-lo como se fosse uma unidade objetiva, este não parece, em todas as condições, como se se estivesse a mover ao mesmo ritmo. Cinco minutos podem parecer uma hora; dez horas podem parecer cinco minutos. Uma década pode passar como dois anos; dois anos podem adquirir o peso de meio século. E assim por diante.


Por outras palavras, a nossa experiência subjectiva de tempo tem pouca relação com a forma como gostamos de medi-lo num relógio. O tempo passa mais ou menos lentamente de acordo com os caprichos da mente humana: ele pode voar ou arrastar-se. Pode evaporar-se no ar ou atingir densidade duradoura.


Se o objetivo é ter uma vida mais longa, parece que a prioridade não deveria ser adicionar incrementos de tempo, mas sim garantir que os anos restantes pareçam apropriadamente substanciais.


O objetivo deveria ser dar mais densidade ao tempo, em vez de tentar acrescentar mais um ou dois anos à vida. Porque então o tempo tem velocidades tão diferentes, movendo-se em certos pontos assustadoramente rápido, em outros com intrincada moderação?


Os primeiros dez anos de vida quase invariavelmente parecem mais longos do que qualquer outra década que vivemos na Terra. Para os adolescentes passa um pouco mais rápido. No entanto, por volta dos 40 anos, o tempo terá começado a correr; e por volta dos anos 60, este estará a desenrolar-se num um galope desconcertante. O ritmo diferenciado não é nenhum mistério: tem a ver com NOVIDADE.


Quanto mais os nossos dias são preenchidos com experiências novas, imprevisíveis e desafiadoras, mais longos eles parecem. E, ao contrário, quanto mais um dia for exatamente igual ao outro, mais rápido passará.


A infância acaba por parecer longa porque é o caldeirão da novidade... porque os seus dias mais comuns estão repletos de descobertas e sensações extraordinárias: elas podem ser aparentemente tão pequenas, tão significativas como a primeira vez que exploramos o fecho de um casaco de lã ou colocamos o nariz debaixo de água, a primeira vez que olhamos para o sol através do algodão de uma toalha de praia ou afundamos os dedos no saco de feijões.


Por ser repleta de estímulos, a primeira década pode durar mil anos. Na meia-idade, pode-se esperar que as coisas se tornem muito mais familiares. Podemos ter voado ao redor do mundo algumas vezes. Não ficamos mais animados com a ideia de comer um abacaxi, ter um carro ou ligar um interruptor de luz. Sabemos sobre relacionamentos, como ganhar dinheiro e dizer aos outros o que fazer. E como resultado, o tempo foge de nós sem misericórdia.


Uma solução frequentemente sugerida neste ponto é que devemos nos esforçar para descobrir novas fontes de novidade.


Não podemos simplesmente continuar a viver as nossas vidas previsíveis e, portanto, rápidas num único domínio; precisamos tornar-nos exploradores e aventureiros.


Achamos que precisamos encontrar uma maneira de nadar com os atuns ou pedir uma refeição de 11 pratos num restaurante mundialmente famoso no centro de Nova Iorque. Isso vai finalmente desacelerar o galope cruel do tempo. Mas isso é trabalhar sob uma noção injusta, cara e, em última análise, para muitos de nós, impraticável de novidade.


Podemos, certamente, na meia-idade, ter visto muitas coisas mas, provavelmente, não teremos notado a maioria delas. Provavelmente, demos alguns relances apressados ​​aos milagres da existência que estão por vir e presumimos, de maneira bastante injusta, que sabemos tudo o que há para saber sobre eles.


Imaginamos que entendemos e conhecemos muito bem a cidade em que vivemos, as pessoas com quem interagimos e, mais ou menos, o objetivo de tudo isso. Mas é claro que mal arranhamos a superfície. Estamos entediados com um mundo que ainda não começamos a observar adequadamente. E é por isso, entre outras coisas, que o tempo está a passar rápido.


É importante reabrir os nossos olhos para uma beleza latente e o interesse precisamente naquelas áreas com as quais paramos de nos preocupar. Isso ajuda a recuperar parte da sensibilidade maníaca que tínhamos quando recém-nascidos.


Olhar de perto as maçãs como se nunca tivéssemos visto uma antes. Ficar hipnotizado por laranjas e o seu aroma. Olhar - como costumam fazer apenas as crianças - bem de perto um torrão de terra.


Não precisamos ter olhos de artista para aprender uma das lições mais valiosas da vida, que é: observar bem, viver de olhos abertos - e, assim, ao longo do caminho, saborear o tempo. Sem qualquer intenção de criar algo que pudesse ser colocado numa galeria, poderíamos - como parte do objetivo de viver mais deliberadamente - dar um passeio numa parte desconhecida da cidade, perguntar a um velho amigo sobre um lado da sua vida que temos curiosidade e nunca ousamos sondar, deitar de costas no jardim e olhar para as estrelas ou segurar o nosso parceiro de uma forma que nunca fizemos antes.


É preciso uma extrema falta de imaginação para pensar que temos que ir às Maldivas para encontrar algo novo. Cada minuto pode ser transformado em horas de tempo, com imaginação e apreciação suficientes.


É bastante sensato tentar viver vidas mais longas. Mas estamos a trabalhar com uma falsa noção do que realmente significa longo. Podemos viver até aos mil anos e ainda reclamar que passou rápido demais. Podemos ter como objetivo levar uma vida que pareça longa, porque conseguimos imbuí-la com o tipo certo de apreciação sincera e receptividade inofensiva, do tipo que crianças de cinco anos sabem naturalmente suportar.


Precisamos fazer uma pausa e olhar para os rostos uns dos outros, estudar o céu noturno, admirar os redemoinhos e as cores do rio e ousar fazer o tipo de perguntas que abrem as nossas almas. A questão, então, não se trata de adicionar anos... e sim fazer com que o tempo que nos resta seja mais denso, garantindo que seja vivido de forma consciente - e podemos fazer isso através de uma manobra tão simples como importante: começar a observar tudo o que ainda só vimos, com a alegria e uma curiosidade vibrante de criança.


No fundo, permitir voltar a deslumbrar-nos.


ÁUDIO MEDITAÇÃO: Curiosidade de Criança


(para ouvir a meditação, basta copiar o link e colar no browser)


https://static.wixstatic.com/mp3/753601_9c980264e29b4e62a35453953fc4e0fb.m4a

41 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo